Pular para o conteúdo principal

Bolhas de informação, uni-vos

       Vamos pensar um pouco mais sobre a realidade de nosso país? Uma constatação simples, mas que poucos privilegiados lembram: a internet é inacessível para uma parcela significativa da população brasileira.E uma parte dos que acessam, se "informam" por meio duvidosos, ou nem se informa.

Segundo dados coletados em 2017, em um artigo do Tech Tudo publicado há quase um ano atrás, 61% dos lares estão conectados e o mundo virtual reproduz as desigualdades do mundo fora da rede. (1)

Nós, que temos acesso às redes sociais, sites e blogs informativos, temos uma visão um pouco mais ampla do que acontece em nosso país. Mas, e as pessoas que só se informam por televisão ou rádio? Em 2018, cerca de um terço das casas aqui no Brasil ainda usavam televisor "de tubo", sem falar das regiões sem acesso a sinal digital e com número limitado de canais para assistir. (2)

E as que nem sequer isso tem? Sim ,estamos em 2020 e há pessoas cuja única fonte de informação são as conversas entre vizinhos e o que ouvem dizer na rua. Essas pessoas estão mais expostas a situações de abuso, por não conhecerem seus direitos.

O que tem sido feito para que essas pessoas, parcela significativa da população, sejam informadas devidamente e não vítimas de informações falsas e /ou desencontradas?Fala-se muito sobre a importância de o povo se unir. Mas para essa união acontecer, é preciso vencer outras barreiras. Não é só convencer o vizinho que usa 3g do celular (e que nem sempre consegue uma boa conexão) que "se informa" por aplicativos de redes sociais, de que a pouca informação que recebe é falsa.  É todo um trabalho de base que deve ser feito.

 Há quem adoeça e morra nesta pandemia sem nem saber o que houve. Há quem não faça a mínima ideia do nome do presidente ou das últimas ações dele, por estar preocupado em simplesmente sobreviver. É imprescindível que mais e mais pessoas saiam das suas bolhas, reconheçam seus privilégios e lutem pelos direitos básicos dos demais. Não adianta esperar iniciativas de autoridades competentes.

Temos de tomar as rédeas e fazer o que está ao nosso alcance.

Se você faz parte de alguma iniciativa para melhor informar a população, ou conhece alguém, algum grupo ou associação que o faz.. Divulgue, para que pessoas e grupos assim saibam que não estão sozinhos. Rádios comunitárias, distribuição de panfletos, grupos de conversa... enfim.Precisamos fortalecer as comunidades, grupos, associações de moradores, redes de informação, para que de fato haja uma união por um futuro melhor. Temos de livrar nosso povo de uma vez por todas da ideia de que é preciso haver um "Salvador da Pátria".




Fontes:

1- TechTudo - 67% dos brasileiros têm acesso à internet

2 - MSN - Internet chega a 4 em cada 5 lares, mas Brasil ainda tem 45,9 milhões de excluídos digitais





Comentários

  1. Incrível que ainda haja tanta gente desconectada. Porém( sempre tem um porém), vejo que tantas dessas, possuem celulares até bem melhores ,dos mais ,mais e com ele, conectam apenas site de fofocas ou redes de intrigas... Assim fica difícil! Há que ter equilíbrio...beijos, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Aí entra a questão de instruir bem as pessoas, pois é o que comentamos semana passada no Twitter e aqui no post... Muita gente pensa que a internet é o "WhatsApp" e o "Facebook", e se informa apenas deste jeito restrito.

      Excluir
  2. Boa noite de paz e esperança, querida amiga Mari!
    Quando vejo alunos sem internet para poder estudar on LINE, fico triste.
    Sim, há muita gente que não conhece o mundo Virtual .
    Tanta coisa boa a pesquisar para nosso bem e o bem comum.
    Tenha um ótimo domingo!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Roselia! Vivemos muitas realidades diferentes, muitos "Brasis" dentro deste Brasil de proporções continentais, algo ignorado desde o início da história desta nação...

      Excluir
  3. Eu costumo visitar os parentes de uma amiga em uma cidade do interior de Pernambuco, onde eles moram o sinal do celular não nos acompanha e nem o da internet. O que chega lá de informação é a TV aberta. Isolamento enorme.

    É um alento encontrar tanta lucidez em um único post.

    https://elfpandora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Pandora. E como sabemos que nem sempre toda a informação que chega pela TV aberta é totalmente confiável e que os telejornais das principais emissoras se desencontram ao disseminar informação, além do fato de as notícias serem postas de forma a não permitir reflexão ( senão o telejornal teria horas de duração), a gente tem uma dimensão de como o acesso é limitado.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta situação da desigualdade se mantém e é retroalimentadas pelos políticos e suas campanhas, pois grande parte do povo continua com o olhar assistencial e os que são mais favorecidos não se unem para uma reversão de uma política voltada para a educação , saude e para ampliação do mercado de emprego. O egocentrismo e a falta do nacionalismo dos brasileiros são fatores que são escancarados no dia a dia. Neste momento, a Pandemia traz sem máscara toda esta realidade e todos mesmo em barcos diferentes estão ns mesma tormenta. Mesmo assim, não se percebe , em todos, o espírito da responsabilidade pelo outro.

      Excluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Devaneie você também!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias, de Ruth Rocha

O exemplar que tenho em casa, velhinho mas em bom estado Livro : Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias Autora : Ruth Rocha Ilustrador : Adalberto Cornavaca Edição : 33ª Ano : 1976 Editora Salamandra Ruth Rocha é uma das minhas autoras preferidas, pela sua capacidade de criar histórias infantis que levam à reflexão e de tocar em temas dito espinhosos.  Já falei sobre este assunto em uma resenha de outro livro, O Que Os Olhos Não Vêem , aqui mesmo neste blog. Para quem não está associando o nome à pessoa, ela é autora também de O Reizinho Mandão , Dois idiotas sentados cada qual no seu barril , Sapo Vira Rei Vira Sapo,   entre outros. Neste livro, Ruth Rocha conta três histórias, protagonizadas por crianças que vivem no espaço urbano. São situações do cotidiano,que estas crianças resolvem a seu modo, aprendendo e crescendo com os desafios a elas impostos.    -------------------------------- E m Marcelo, Marmelo, Martelo, história que dá título

1 Imagem, 140 Caracteres #441

 Uma semana se passou e ainda há reflexos da Páscoa no ar...  Tudo bem aí com vocês? Espero que sim! Preparei a postagem mas a internet me passou a perna e agora que dei a volta nela (ahhaha) aqui estamos de novo!  Como já está tarde, arrumei o texto para ficar mais enxuto. Vamos para nossa imagem da semana? Imagem obtida no site Carta Capital Descrição: a imagem mostra um casal de idosos, de costas, caminhando sobre uma passarela de cimento em uma área arborizada . À esquerda vê-se parte de um banco. O homem veste uma camisa azul clara e calças jeans e está de mãos dadas com a mulher, que usa saia marrom e uma blusa de frio branca e meias brancas e longas.  Ambos tem cabelos brancos e curtos.  .................................................................................................. A praça mudou, a cidade ao redor também. Mas você continua aqui ao meu lado. Isso é o que importa no final das contas.  .............................................................................

1 Imagem, 140 Caracteres # 443

Boa noite!!! Passei a semana gripada, o que significa que olhar para uma tela de computador era bem complicado. Tanto que tenho até trabalho atrasado por conta disso. Mas enfim, vamos ao que interessa: a sexta-feira está quase acabando e ainda dá tempo para a nossa blogagem semanal acontecer!  Então, vamos lá? Imagem extraída do DepositPhotos Descrição: um menino branco, de costas.Ele cabelos curtos e loiros. Está usando uma camiseta azul, uma bermuda preta e calçando tênis. Ele está sentado em um ambiente escuro observando um grande  aquário com peixes ornamentais grandes, cor-de-rosa fraco. Me perdi da minha turma... Melhor esperar aqui. Enquanto isso, me acalmo com a sensação de estar no fundo do mar! Bom final de semana!