Pular para o conteúdo principal

Desafio Literário 2016 - Março - Um livro banido e/ou censurado

Aqui estamos de volta! E o #DesafioMS2016 desta vez consiste em procurar um livro que tenha sido banido e/ou censurado. 

E o livro escolhido é....



FARENHEIT 451 - Ray Bradbury



Algumas das muitas capas que o livro recebeu ao longo de mais de 60 anos. 

O livro foi censurado em várias ocasiões e em diversos países, por conter linguagem considerada pesada, relato de violência e uso de drogas.  A própria editora Balantine Books modificou mais de setenta passagens do livro entre os anos de 1967 e 1979, eliminando palavras como "aborto" e "inferno". 



Escrito em 1953, o livro mostra-nos um futuro -sem indicar o século -  no qual os livros foram banidos da sociedade. 
Guy Montag é um bombeiro, cuja função neste futuro é queimar os livros que são clandestinamente escondidos nas casas dos moradores da cidade.No início da história, Montag está satisfeito com seu trabalho e admira o fogo. 
 Porém, parágrafos, linhas lidas ao acaso durante o trabalho despertam sua curiosidade e Montag acaba escondendo vários livros em sua casa - porém, não os lê, não ainda. 
Uma bela noite, após encerrar seu turno de trabalho, Montag encontra uma vizinha adolescente, Clarisse, andando pela rua, e ela o intriga com uma simples pergunta: "Você é feliz?" Ao voltar para casa e ter de chamar atendimento médico para sua esposa, vendo a frieza com que os profissionais a tratam,Montag sente-se incomodado com a sociedade em que vive. 

Nos dias seguintes, Montag e Clarisse conversam várias vezes, o que provoca mais reflexões sobre a vida dele.  Os livros escondidos em sua casa o assombram e ele já está muito desconfortável em sua função na sociedade. 
Após um evento impactante envolvendo mais uma queima de livros, Montag sente-se doente e não vai trabalhar. Seu chefe, Beatty, vai visitá-lo e aí está uma das partes do livro que mais me chama a atenção: 



A alienação e o gosto por banalidades fica evidente no perfil da esposa de Guy, Mildred, que se esforça para não pensar, não questionar, força-se a ser feliz na alienação. 
A felicidade precisa existir a qualquer custo, de acordo com o discurso do chefe Beatty, e por isso os livros foram banidos: para não atiçar a consciência, não ofender as minorias, os diversos grupos, não levar as pessoas a sentirem-se infelizes questionando o mundo à sua volta. 
A partir daí, Montag entra em um caminho sem volta, lendo os livros que escondeu na casa e pagando um preço por esta ousadia. Não adiantarei mais nada do enredo,pois não é minha função aqui contar o livro todo,  porém está claro como o dia que a vida de Guy Montag não será mais a mesma. 

Desenho de um Sabujo, cão eletrônico programado para caçar presas -ou pessoas. 
Ray Bradbury comentou, em uma ocasião, que o livro fala sobre como a televisão destrói o interesse pela leitura. 
É  impossível não traçar paralelo com a realidade de hoje, em que a tecnologia criou tantos meios para as pessoas interagirem, porém aumentando a solidão. Televisores cada vez maiores, entretenimento, pão e circo, redes sociais e conversas alienantes. A diferença é que hoje em dia há espaço para discussões  nas redes sociais e pessoas que questionam os programas de televisão, ao passo que no futuro de Farenheit 451 as pessoas simplesmente não questionam, aceitam o sistema imposto e os que não concordam ficam escondidos ou são perseguidos...bem, talvez não tão diferente assim...   

Comumente diz-se que o título do livro faz alusão à temperatura em que o tipo de papel de que os livros são feitos pegam fogo. 
Este livro virou um filme em 1966, claro que há diferenças no enredo em relação à história original, mas vale a pena assistir. (Sou suspeita para falar, prefiro o livro, mais denso em minha opinião)


O enredo é perturbador e apaixonante ao mesmo tempo. Vemos a evolução do personagem acontecendo, torcemos por ele, vibramos e tememos pelo seu futuro. As figuras de linguagem de Bradbury são um capítulo à parte: nada de palavras simples, o que se vê são descrições intimistas, metáforas marcantes para definir as situações que Montag vivencia e presencia. Às vezes é preciso reler algumas passagens para compreender totalmente o contexto. 

Demorei para conseguir este livro, agora que consegui só tenho uma palavra: RECOMENDADÍSSIMO! 


Quer participar deste #desafioMS2016? Leia este post e saiba como! 

Comentários

  1. Olá!
    Opa eu tinha vontade de ler esse livro e com sua recomendação fiquei ainda mais interessada! Certeza que vou procurar ele para ler!

    A procrastinação é algo terrível. Ano passado eu procrastinei demais e esse ano, prometi a mim mesma lutar contra isso e fazer mais coisas. Não quero ficar com tanto tempo ocioso. Ás vezes é dificil, bate a preguiça e o cansaço, mas temos que lutar contra eles!
    Valeu por ter curtido o texto! E você tem conta no Wattpad? Me passe o link para eu poder te seguir! Estou postando lá minha fanfic do Cruello (embora pra fica eu obtenha mais retorno através do Nyah Fanfiction).
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  2. Um dos meus livros favoritos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E acabou virando um dos meus também! Que pena ter demorado tanto para conhecê-lo!

      Excluir

Postar um comentário

Devaneie você também!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias, de Ruth Rocha

O exemplar que tenho em casa, velhinho mas em bom estado Livro : Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias Autora : Ruth Rocha Ilustrador : Adalberto Cornavaca Edição : 33ª Ano : 1976 Editora Salamandra Ruth Rocha é uma das minhas autoras preferidas, pela sua capacidade de criar histórias infantis que levam à reflexão e de tocar em temas dito espinhosos.  Já falei sobre este assunto em uma resenha de outro livro, O Que Os Olhos Não Vêem , aqui mesmo neste blog. Para quem não está associando o nome à pessoa, ela é autora também de O Reizinho Mandão , Dois idiotas sentados cada qual no seu barril , Sapo Vira Rei Vira Sapo,   entre outros. Neste livro, Ruth Rocha conta três histórias, protagonizadas por crianças que vivem no espaço urbano. São situações do cotidiano,que estas crianças resolvem a seu modo, aprendendo e crescendo com os desafios a elas impostos.    -------------------------------- E m Marcelo, Marmelo, Martelo, história que dá título

1 Imagem, 140 Caracteres #441

 Uma semana se passou e ainda há reflexos da Páscoa no ar...  Tudo bem aí com vocês? Espero que sim! Preparei a postagem mas a internet me passou a perna e agora que dei a volta nela (ahhaha) aqui estamos de novo!  Como já está tarde, arrumei o texto para ficar mais enxuto. Vamos para nossa imagem da semana? Imagem obtida no site Carta Capital Descrição: a imagem mostra um casal de idosos, de costas, caminhando sobre uma passarela de cimento em uma área arborizada . À esquerda vê-se parte de um banco. O homem veste uma camisa azul clara e calças jeans e está de mãos dadas com a mulher, que usa saia marrom e uma blusa de frio branca e meias brancas e longas.  Ambos tem cabelos brancos e curtos.  .................................................................................................. A praça mudou, a cidade ao redor também. Mas você continua aqui ao meu lado. Isso é o que importa no final das contas.  .............................................................................

1 Imagem, 140 Caracteres # 443

Boa noite!!! Passei a semana gripada, o que significa que olhar para uma tela de computador era bem complicado. Tanto que tenho até trabalho atrasado por conta disso. Mas enfim, vamos ao que interessa: a sexta-feira está quase acabando e ainda dá tempo para a nossa blogagem semanal acontecer!  Então, vamos lá? Imagem extraída do DepositPhotos Descrição: um menino branco, de costas.Ele cabelos curtos e loiros. Está usando uma camiseta azul, uma bermuda preta e calçando tênis. Ele está sentado em um ambiente escuro observando um grande  aquário com peixes ornamentais grandes, cor-de-rosa fraco. Me perdi da minha turma... Melhor esperar aqui. Enquanto isso, me acalmo com a sensação de estar no fundo do mar! Bom final de semana!