Pular para o conteúdo principal

Resenha: a Sutil Arte de Ligar o F*da-se, de Mark Manson

Livro: A Sutil Arte de Ligar o F*da-se - Uma estratégia inusitada para uma vida melhor. 

Autor: Mark Manson - Tradução de Joana Faro

Editora: Intrínseca
Ano:2016
Segunda Edição, pela Intrínseca, em 2019.  



"A certeza é inimiga do crescimento. Nada é certo até acontecer - e mesmo assim não deixa de ser questionável. Daí a necessidade de aceitar as imperfeições inevitáveis dos nossos valores, pois sem isso não conseguimos crescimento algum." (p.91) 

    Mark Manson costumava escrever textos, como ele mesmo define, "desbocados" em seu blog. 

Estes textos fizeram relativo sucesso, e deram origem ao livro que ficou por muitas semanas no ranking dos mais vendidos.  

O livro, de leitura rápida e fluida, divide-se em nove capítulos escritos em linguagem simples, objetiva, de uma sinceridade quase cruel. A ideia que o guia, basicamente, é: a vida muitas vezes é vai ser uma M**** mesmo,e é preciso aprender a conviver com isso.  

"Muitos têm medo de aceitar a mediocridade porque acreditam que, se o fizerem, nunca conseguirão nada, nunca vão se desenvolver e terão uma vida insignificante (p.51)


Mark Manson fala da pressão negativa que sofremos e que nos é imposta desde cedo para que persigamos o sucesso e a felicidade a todo custo. Segundo o autor, não há nada errado em sentir a dor, em usá-la para amadurecer; não há nada errado em não ser como a maioria e não viver desesperado por bens materiais ou ficar correndo atrás de uma felicidade utópica. Que podemos nos sentir bem com a vida que temos, em vez de viver infelizes imaginando que não estamos utilizando todo o nosso potencial, nos comparando com outros que "tem uma vida melhor". 


 Cada capítulo é intitulado com uma frase propositalmente contrária ao que aparece em vários livros considerados de autoajuda. "Escolha ser feliz"?; "Você é especial"?. Nada disso. Os capítulos iniciam com "Nem tente", ou "A felicidade é um problema", ou mesmo "Você não é especial". Frases que apesar de parecerem contrariar o princípio de ajudar, tem a intenção de libertar quem está lendo.



O fio que perpassa todos os capítulos do livro é o seguinte: você é responsável por suas escolhas, e não é preciso fazer coisas grandiosas que irão transformá-lo em alguém inesquecível para todas as nações do mundo para alcançar a felicidade e o senso de realização. 
 

Minha opinião: é um livro que tenta não ser de auto-ajuda, mas apesar disso tem critérios que podem classificá-lo como tal. O título do livro, bem como sua capa, cumpre muito bem a função de chamar  a atenção, assim como a linguagem direta, sem rodeios que o autor utilizar para dissertar em todos os capítulos. 




Fugindo um pouco da resenha, mas ainda tendo a ver com ela: lembrei-me de uma música dos Titãs, chamada "Não fuja da dor"



Mark Manson



Nasceu em 1984 na cidade de Austin, nos Estados Unidos.

Graduado pela Universidade de Boston. Site do autor: markmanson.net








Joana Faro (não achei uma foto...)


Tradutora, além do livro acima citado já traduziu para nosso idioma outros títulos como A Última Namorada na Face da Terra, Amor e Gelato, livros da série "Lying Games" ( O Jogo da Mentira), As perfecionistas, entre outros.





Esta postagem faz parte do Desafio Literário 2020 proposto pela Sybylla, do blog Momentum Saga
 

Outras postagens deste desafio: 
(Um livro que eu deveria ter lido em 2019) 
(Um livro fora da minha zona de conforto)
3) A Sutil Arte de Ligar o F*da-se, de Mark Manson
(um livro que comprei pela capa) 
 

Comentários

  1. Muito legal esse livro e temos que ,nesses dias atuais, ligar esse mecanismo bem seguido,rs...beijos, linda semana! chica

    ResponderExcluir
  2. Dica de leitura valiosa!
    Beijos e feliz semana!

    ResponderExcluir
  3. Õra muito bem!! :))
    -
    O que diz o meu olhar
    Beijos e uma excelente semana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Devaneie você também!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias, de Ruth Rocha

O exemplar que tenho em casa, velhinho mas em bom estado Livro : Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias Autora : Ruth Rocha Ilustrador : Adalberto Cornavaca Edição : 33ª Ano : 1976 Editora Salamandra Ruth Rocha é uma das minhas autoras preferidas, pela sua capacidade de criar histórias infantis que levam à reflexão e de tocar em temas dito espinhosos.  Já falei sobre este assunto em uma resenha de outro livro, O Que Os Olhos Não Vêem , aqui mesmo neste blog. Para quem não está associando o nome à pessoa, ela é autora também de O Reizinho Mandão , Dois idiotas sentados cada qual no seu barril , Sapo Vira Rei Vira Sapo,   entre outros. Neste livro, Ruth Rocha conta três histórias, protagonizadas por crianças que vivem no espaço urbano. São situações do cotidiano,que estas crianças resolvem a seu modo, aprendendo e crescendo com os desafios a elas impostos.    -------------------------------- E m Marcelo, Marmelo, Martelo, história que dá título

1 Imagem, 140 Caracteres #441

 Uma semana se passou e ainda há reflexos da Páscoa no ar...  Tudo bem aí com vocês? Espero que sim! Preparei a postagem mas a internet me passou a perna e agora que dei a volta nela (ahhaha) aqui estamos de novo!  Como já está tarde, arrumei o texto para ficar mais enxuto. Vamos para nossa imagem da semana? Imagem obtida no site Carta Capital Descrição: a imagem mostra um casal de idosos, de costas, caminhando sobre uma passarela de cimento em uma área arborizada . À esquerda vê-se parte de um banco. O homem veste uma camisa azul clara e calças jeans e está de mãos dadas com a mulher, que usa saia marrom e uma blusa de frio branca e meias brancas e longas.  Ambos tem cabelos brancos e curtos.  .................................................................................................. A praça mudou, a cidade ao redor também. Mas você continua aqui ao meu lado. Isso é o que importa no final das contas.  .............................................................................

1 Imagem, 140 Caracteres # 443

Boa noite!!! Passei a semana gripada, o que significa que olhar para uma tela de computador era bem complicado. Tanto que tenho até trabalho atrasado por conta disso. Mas enfim, vamos ao que interessa: a sexta-feira está quase acabando e ainda dá tempo para a nossa blogagem semanal acontecer!  Então, vamos lá? Imagem extraída do DepositPhotos Descrição: um menino branco, de costas.Ele cabelos curtos e loiros. Está usando uma camiseta azul, uma bermuda preta e calçando tênis. Ele está sentado em um ambiente escuro observando um grande  aquário com peixes ornamentais grandes, cor-de-rosa fraco. Me perdi da minha turma... Melhor esperar aqui. Enquanto isso, me acalmo com a sensação de estar no fundo do mar! Bom final de semana!