Pesquisar este blog

25 de out. de 2019

1 Imagem, 140 Caracteres # 320

Olá, gente! 

Apesar de continuarmos levando um 7 a 1 diferente por dia, aqui estamos neste pequeno espaço virtual!

Vamos a um refrigério neste final de semana porque precisamos descansar um pouquinho a cabeça, né?


Fiquemos com a imagem e a participação de todos os nossos parceiros de blogagem!

Imagem obtida no site Oficina da Net
 #postacessivel: a imagem mostra parte da mão de uma pessoa que está a ponto de inserir um pendrive preto em uma entrada lateral para usb em um notebook



Encontrei um pendrive que há tempos não usava. Será que aqui estão as benditas fotos do casamento que vivo procurando?


Tenham um bom final de semana e até a próxima! 

 

18 de out. de 2019

1 Imagem, 140 Caracteres # 319

Olá! 


Mais uma sexta-feira chegou! 

Que semaninha doida... Começou com temperaturas altas e ar condicionado ligado no domingo, temperaturas caindo, chuva chegando e dias em que tivemos de trabalhar de blusa.. Neste momento, uma noite de quinta-feira, escrevo ouvindo o barulhinho da chuva lá fora.  Meu celular aponta para 21 graus, mas simplesmente não sei descrever a sensação térmica que tenho agora. 

Mas enfim. Seguimos nesta doideira climática que acompanha a doideira em todos os outros aspectos. Mas não é este o propósito desta postagem. 

Vamos ao que interessa, a imagem desta semana? 




Imagem obtida no site Novos Alunos
 #postacessivel: a imagem mostra uma sala de aula, com a imagem da professora desfocada ao fundo. Em primeiro plano, vê-se vários alunos de costas, dedos levantados, prontos a responder alguma pergunta - ou fazê-la. A professora mostra uma expressão sorridente.




Para alguns, "doutrinadores"

Para outros, "alienados"

Para tantos, "ultrapassados"

Mas apesar de tudo,

Somos acreditadores, somos professores


Um bom final de semana a todos e todas!


16 de out. de 2019

Resenha: A Vegetariana, de Han Kang


"Uma história sobre rebelião, tabu, violência e erotismo escrita com a clareza atordoante das melhores e mais aterradoras fábulas" ( Texto na contracapa do livro)



Capa do livro que tenho em casa

Livro: A Vegetariana
Autora: Han Kang
Tradução: Jae Hyung Woo (traduzida diretamente do coreano)
Editora: Todavia
1ª Edição, 2018 
176 páginas




     




   Yeonghye, uma mulher aparentemente comum , choca a família e a desestabiliza ao decidir, depois de um pesadelo, não mais comer, cozinhar ou servir carne. Uma decisão aparentemente simples porém considerada rebelde, que desencadeia uma série de eventos que fazem com que a dinâmica familiar nunca mais seja a mesma. 

     O livro é dividido em três partes, narrado por três vozes: o marido, única narração em primeira pessoa no livro todo, conta sobre a vida dos dois até um fatídico incidente em um almoço de família (No restante do livro não mais aparece, é apenas mencionado pelos outros personagens após ter se divorciado dela); o cunhado, artista visual que sente-se atraído por Yeonghye e sua rebeldia e a irmã mais velha, cujo ponto de vista vemos na terceira e última parte do livro.  Esta última parte é a mais comovente, pois além de mostrar o declínio mental de Yeonghye em um caminho sem volta, mostra que a irmã mais velha é a única que a enxerga realmente como uma pessoa, alguém que sofre, não como alguém conveniente (como o marido enfatiza, que gostava de Yeonghye por ela não se destacar - ou seja, não fazê-lo sentir-se inferior ou medíocre) ou como objeto de obsessão artística e física (ponto de vista do cunhado). 

A irmã mais velha se importa suficiente para mudar sua rotina e tentar o melhor para Yeonghye, enquanto se questiona sobre sua própria vida e relembra fatos do passado que impactaram as duas até o presente, relembrando outras atitudes "estranhas" que ela teve no passado e buscando explicações para a degradação mental e física que afeta a irmã mais nova. 

    O fato de tornar-se vegetariana, na realidade, é a ponta do iceberg: conforme a história vai se desenrolando pelos diferentes olhares, entendemos aos poucos a razão para Yeonghye ir se afastando gradualmente do mundo e da rotina que conhecia, fazendo assim com que outros familiares também questionem as escolhas de vida que os trouxeram até onde estão. A Vegetariana é um romance perturbador, onde sexualidade e loucura se misturam à medida que vamos conhecendo melhor Yeonghye e as atitudes que ela tem desde que decide não comer mais carne. 

Alguns trechos destacados, normalmente sonhos ou impressões confusas, são narrados pela própria Yeonghye e nos tragam em uma espiral de angústia ao tentar compreender sua mente. 


"Por que será? Tudo parece desconhecido para mim, como se olhasse para as coisas de longe. Como se estivesse presa atrás de uma porta sem maçaneta. Não é bem isso... Será que sempre estive ali e só agora me dou conta? Tudo está escuro e esmagado".(pg 32)



       Com o tempo, Yeonghye vai se desfazendo de outras convenções sociais, abandonando comportamentos considerados padrões: ficando cada vez mais tempo nua em casa sem se importar em ser vista, ausentando-se cada vez mais da sociedade e de suas regras, vivendo em um mundo próprio e afastando-se da família com quem só troca algumas palavras quando necessário. A narração da história nos leva neste turbilhão e nos perturba, fazendo com que nós , leitores também nos questionemos sobre a fronteira entre loucura e sensatez,sobre a violência física e psicológica e marcas da infância.
 Conforme a história avança, essa desconexão de Yeonghye com a realidade e o desejo cada vez maior de conectar-se com os vegetais nos angustia e nos leva velozmente ao final do livro, cuja história termina em aberto, focalizando nas duas e na angústia e melancolia da crua realidade de um mundo que embota nossos sentidos. 

Recomendo muitíssimo o livro, principalmente para quem está preparado para questionar certos padrões sociais e como a sociedade que construímos nos envenena ao mesmo tempo que nos sustenta.  A narrativa flui rápida sem deixar de ser impactante.


 O livro foi lançado há uma década na Coreia do Sul, mas demorou um pouco a chegar aqui no Brasil, a princípio traduzido do inglês. A edição que tenho foi traduzida diretamente do original, e a comprei na Estante Virtual


Para saber mais: 

 - Vídeo do canal Ler Antes de Morrer: uma resenha que explicita muito bem a essência do livro e contextualiza a história (contém alguns spoilers)


- Resenha do blog R.Izze.Nhas 
(mais completa)



Outros sites onde encontrar: 

Amazon

Saraiva

Site da Editora Todavia 
 
----------------------------------------------------------------------------------

Esta postagem faz parte do desafio literário 2019  proposto pela Sybylla, do blog Momentum Saga  



Outras postagens que fazem parte deste desafio:

1) Desmortos, de Mary C. Müller - Um livro Young Adult

2) Tartarugas até lá embaixo, de John Green - Um livro que eu deveria ter lido em 2018

 
3) Marcelo, Marmelo, Martelo, de Ruth Rocha – Um livro Infanto-juvenil 

 
4) Lady Susan, de Jane Austen – Um livro epistolar.


5) Nonoberto Nonemorto,do Grupo Andaime de Teatro - Um livro que é uma peça de teatro  


6) A Vegetariana, de Han Kang - Um livro de autora ou autor asiático

 
 

 
 

11 de out. de 2019

1 Imagem, 140 Caracteres # 318

Bom dia, boa tarde, boa noite! 

Mais um final de semana chega, com um feriado..no sábado. Mas o que importa são as datas em si, não é? Para os católicos dia 12 é dia de Nossa Senhora Aparecida, considerada a Padroeira do Brasil,e  me parece bastante apropriado que no mesmo dia se comemore o Dia das Crianças, que precisam demais de proteção neste mundo tão cheio de incertezas e ameaças. 


Mas, vamos à imagem desta semana?



Imagem retirada do Pixabay - Banco de imagens gratuito

 #postacessivel: a imagem mostra uma criança de costas, trajando uma calça - ou bermuda -jeans ( a foto não mostra a parte inferior do corpo completamente) e camiseta branca, além de um chapéu de praia cor-de-rosa choque. Esta criança está contemplando o mar de perto, observando as ondas quebrando ao longe. 






Vi o mar pela primeira vez! 

O que mais pode ter além de toda essa grandeza?
O mundo é bem maior do que eu penso... 
E tem tanta beleza! 



Até a próxima e bom final de semana! 







9 de out. de 2019

Dicas da Semana # 58

Olá!

Passaram bem o final de semana? 

Esta semana as dicas são de canais do Youtube  que fazem análises de filmes, séries, desenhos... Ótimos para se divertir e refletir também! Abaixo de cada pequeno texto deixo um vídeo de cada canal.

Vamos às dicas?


EntrePlanos - Canal do Max Valarezo, faz  análise crítica sobre cinema. Max lança olhares críticos sobre filmes  e séries , fazendo com que vejamos com outros olhos situações destes filmes que muitas vezes nos passam despercebidas.  
Tem se tornado um dos meus canais preferidos, pelas análises claras, sérias e bem elaboradas que ele realiza. É um daqueles canais que quando você assiste a um vídeo, não consegue resistir à tentação de assistir mais e acaba maratonando, de tão interessantes que são as análises e o modo como Max fala de cinema. 







Cartoonizando - Canal do "Matt", jovem aficionado por desenhos e animações. O canal começou com apenas uma voz analisando desenhos e com o tempo um personagem foi se delineando: a princípio um "bonequinho" animado totalmente branco, agora "Matt" já tem esboços mais definidos, ganhou colorido e durante a análise das animações aparece fazendo vários apartes - às vezes aparece um "Matt do Mal" para contrariá-lo. As análises são mais baseadas nos gostos próprios de "Matt", cujos vídeos vem se aperfeiçoando gradativamente. 




Guilherme Analisa - Guilherme Analisa não apenas filmes, mas também séries e alguns desenhos com bastante bom humor. As análises bem-humoradas e com analogias divertidas são o mote do canal. Também faz vídeos respondendo perguntas dos comentaristas e outros falando um pouco sobre sua vida. Também faz vídeos tocando teclado e escaleta.
Algo que gosto no canal é a série de vídeos bem-humorados e didáticos ao mesmo tempo: MitoloGuia. como o nome sugere, Guilherme faz boas análises sobre personagens e histórias mitológicas. 





Claro que estes são apenas alguns dos canais que tenho assistido ultimamente, há muita gente boa fazendo vídeos sobre filmes, séries, livros, desenhos.. E com certeza farei mais posts sobre canais do Youtube e de outras plataformas. Aguardem mais dicas (não só de vídeos,hehehe). 

Nos vemos novamente na sexta-feira!

4 de out. de 2019

1 Imagem, 140 Caracteres # 317

Boa noite de sexta-feira gente linda! 

Todo mundo bem e vivo aí? 

Espero que sim... 

Aqui estamos! 

Vamos à nossa imagem desta semana? 


Imagem retirada do site O Portal da Espiritualidade

#postacessivel: a imagem mostra um homem sentado em uma rocha aparentemente em um nível elevado, contemplando a vegetação ao longe. É dia e faz sol.

 Elevar-se, silenciar-se. 
Atitude necessária e que tanto nos faz falta. 
Tomaríamos rumos melhores na vida se tivéssemos mais silêncios nela.


 Até a próxima e bom final de semana! 


2 de out. de 2019

Resenha: Nonoberto Nonemorto, de Luís Alberto de Abreu e Grupo Andaime de Teatro


Livro: Nonoberto Nonemorto
Autores: Luiz Roberto de Abreu
Gênero: Comédia Dramática
Direção de Francisco Medeiros.
Texto escrito especialmente para o
Grupo Andaime de Teatro, da Unimep de Piracicaba





 Imagem: capa do livro, com o título no alto. A capa é preta e no centro há uma ilustração em forma de desenho, representando pessoas sorridentes. Há um homem no centro, ladeado por dois seres que aparentam ser anjos pois têm asas nas costas. Há outro anjo voando por cima deste trio. Também há um homem bebendo algo de uma xícara, um casal dançando, dois homens bebendo: um segurando uma garrafa e outro um copo. O homem que segura um copo também segura uma mala. Há dois animais também, que no momento não consigo identificar. Todos estes seres estão em um piso amarelo. Na beira do chão amarelo, há seis pessoas observando, também sorridentes. Duas seguram uma mala cada uma, uma segura uma xícara e duas apenas observam. 
Abaixo da ilustração, o nome do autor: Luís Alberto F de Abreu

















#postacessivel: a fotografia, em preto e branco, mostra um homem, cujo rosto não é visível por estar com a cabeça baixa. Ele veste uma boina, paletó e calças escuras, camisa branca. Está sentado em uma cadeira e segura uma bengala com a mão direita. Ao fundo, se vê o que parece ser o cenário da peça de teatro referida no texto abaixo. No pano de fundo aparece a frase: "As coisas, os fatos, o tempo em sua memória estão em pedaços. Mesmo assim ele tem muito mais coisas que nós.." (Rodrigo Cruz) 


 


"A obra estrutura-se a partir das lembranças confusas de Nono Berto, um velho filho de imigrantes italianos ( da região do Tirol, entre Áustria e Itália - grifo meu) que, em razão de sua idade avançada, mistura a imaginação e realidade, locais e tempos históricos, acontecimentos reais e inventados, e o desejo que alguns acontecimentos fossem de fato reais. Mais que um retrato histórico da imigração de Tiroleses na região de Piracicaba, o espetáculo, segundo o desejo e a pena de seu autor, tenta ser um retrato do movimento da alma humana." (sinopse da peça).

 

Imagem: fotografia em preto e branco de um senhor, utilizando roupas compridas e chapéu, sentado e observando um tecido em suas mãos.



Nonoberto Nonemorto é uma peça de teatro produzida e encenada pelo grupo teatral Andaime, desde 1998.

Posteriormente, o roteiro foi publicado em forma de livro com o texto e roteiro de Luís Alberto de Abreu. 

A história gira em torno de Nonoberto ( Nono Berto), que ao fim de sua vida relembra toda a saga, sofrimentos, histórias dos imigrantes italianos, fatos de sua vida. Há um paradoxo ali, pois Nonoberto ao mesmo tempo que tem sua memória fragmentada e por vezes fica com o olhar vazio, entristecendo-nos junto com ele ao partilhar seu declínio mental, também tem memórias muito vivas. A peça toda mostra essa mistura de esquecimento, recordações, recortes de diferentes épocas,realidade e fantasia coexistindo durante toda a narrativa. A melancolia de Nonoberto perpassa toda a peça, mesmo havendo momentos de comédia. 
Como diz no prólogo da peça, "Nonoberto é um homem de rompantes. As imagens passam sem controle e se fixam em sua mente, gerando lembranças, riso, emoção também sem controle". 


A história transcorre ora contada pelo próprio Nono Berto, ora por outros personagens, mostrando dificuldades, cotidiano, recordações impressões de mundo, alternando entre a nossa língua portuguesa e alguns trechos em  dialeto "Talian". 
Há momentos em que a quarta parede é quebrada, tanto pelo Nonoberto quanto por outros personagens e narradores. 

É uma narrativa emocionante e impactante, confesso que chorei lendo o livro ( conheço boa parte da história da imigração,eu mesma sou descendente de italianos) e gostaria de ter visto a peça teatral. 



Link para um álbum com algumas fotos: (No Facebook)


 ......................................................................................................

 Esta postagem faz parte do desafio literário 2019  proposto pela Sybylla, do blog Momentum Saga  



Outras postagens que fazem parte deste desafio:

1) Desmortos, de Mary C. Müller - Um livro Young Adult

2) Tartarugas até lá embaixo, de John Green - Um livro que eu deveria ter lido em 2018

 
3) Marcelo, Marmelo, Martelo, de Ruth Rocha – Um livro Infanto-juvenil 

 
4) Lady Susan, de Jane Austen – Um livro epistolar.


5) Nonoberto Nonemorto,do Grupo Andaime de Teatro - Um livro que é uma peça de teatro 


 

1 Imagem, 140 Caracteres # 480

 Boa noite! Tudo bem com vocês? Espero que sim!!! Depois de voltar ao trabalho com alguns dias de formação, aqui estamos!  Sexta-feira chego...