Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2022

1 Imagem, 140 Caracteres #442

 Bom dia e boa sexta-feira!  Tudo bem?  Espero que todos possam ter um bom final de semana!!! Vamos à imagem desta edição?  Descrição: uma mulher branca,magra, visível da cintura para cima. Ela está com cabelos castanhos claros soltos, uma camiseta marrom clara, calças brancas ( a parte que é visível). Segura no braço direito, dobrado e junto ao corpo, um telefone fixo mais antigo, daqueles de discagem com roleta. Na mão esquerda, segura o fone perto do rosto. Ela está com uma expressão raivosa, de olhos fechados, como se gritando com o aparelho.  ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- Não aguento mais essas ligações!  Vou desligar essa linha e ficar só com o celular! Até mais!!!

Carga mental e o cotidiano

 Essa semana estava conversando com minhas colegas de trabalho e logo o assunto se concentrou nas que são mães. A maioria relatava que se não fosse por elas em casa, os cadernos dos filhos não seria assinado quando tivesse recado das professoras. Também relatavam que se caíssem doentes, ou viessem a faltar, o marido/companheiro simplesmente não saberia realizar coisas básicas sozinho, como dar banho no(s) filho(s) ou saber onde estão guardadas as roupas.  Comentei com elas que, apesar de não ser mãe, acho isto um absurdo e que nossos companheiros,a não ser que tenham alguma limitação, são adultos funcionais e deveriam saber o mínimo da organização da casa/rotina dos filhos.  Por isso que toda vez que ouço pessoas reclamando sobre a "mulher chata", a "mãe chata", penso logo que podem não ser pessoas chatas e sim cansadas.  Qualquer pessoa que depois de trabalhar um dia inteiro ainda tivesse de ter apenas para si a obrigação de organizar a casa/verificar atividades de

1 Imagem, 140 Caracteres #441

 Uma semana se passou e ainda há reflexos da Páscoa no ar...  Tudo bem aí com vocês? Espero que sim! Preparei a postagem mas a internet me passou a perna e agora que dei a volta nela (ahhaha) aqui estamos de novo!  Como já está tarde, arrumei o texto para ficar mais enxuto. Vamos para nossa imagem da semana? Imagem obtida no site Carta Capital Descrição: a imagem mostra um casal de idosos, de costas, caminhando sobre uma passarela de cimento em uma área arborizada . À esquerda vê-se parte de um banco. O homem veste uma camisa azul clara e calças jeans e está de mãos dadas com a mulher, que usa saia marrom e uma blusa de frio branca e meias brancas e longas.  Ambos tem cabelos brancos e curtos.  .................................................................................................. A praça mudou, a cidade ao redor também. Mas você continua aqui ao meu lado. Isso é o que importa no final das contas.  .............................................................................

1 Imagem, 140 Caracteres #440

 Bom dia, boa tarde, boa noite!  Hoje, sexta-feira Santa. Dia de oração mais intensa, recolhimento e silêncio para milhões de pessoas ao redor do mundo, eu incluída.  Por isso, estou escrevendo agora, na quinta-feira à noite, agora que estou em um horário mais livre...  Primeiro, quero agradecer o carinho de tantas pessoas não só aqui no blog mas também as mais próximas, que deram e ainda dão apoio.  Essa semana também foi complicada, com a partida de mais uma pessoa muito querida pela família, porém vamos seguindo...  E como há anos tenho postado uma blogagem coletiva nas sextas-feiras, não teria melhor ocasião para voltar a postar, em consideração a tantas pessoas que acompanham minhas escrevinhações há muito tempo!  Vamos à imagem desta semana?  Descrição: a imagem mostra, em cima da madeira marrom-clara de uma mesa, as mãos de uma pessoa branca orando. As mãos estão entrelaçadas e vários dedos possuem anéis dourados. No fundo da imagem, embaçados, vêm-se parte dos braços e uma blus

Eu não estou bem... Mas tudo passa!

 Ninguém está bem.  Ninguém pode dizer que dois anos de uma pandemia não afetaram em nada sua vida.  Não posso fingir que está tudo bem depois de dois anos de medo, raiva e ansiedade que fizeram retornar uma compulsão alimentar e agora tenho de tentar reunir alguma força de vontade para meu corpo voltar ao que era.  Não dá para dizer que tudo está bem quando a gente não sorri mais como antes, quando algo se quebrou por dentro e só agora estou começando a reunir os pedaços que se quebraram e tentando retomar algumas coisas que fazia antes de toda essa bagunça.  Não sei se consigo colar todos os pedaços quebrados de meu coração, e nem sei se devo fazer isso: nossa vida é uma constante mudança e não tem como simplesmente resetar dois anos.  Vi gente adoecer, gente morrer, gente que corre ao meu lado ficar tão ou mais quebrada do que eu...   Tem horas que cansa até o ato de pegar a máscara, ajustar o elástico e sair para mais um dia de trabalho. Amo meu trabalho mas algo dentro de mim mudo