Pular para o conteúdo principal

Dezembro chegou...

....e nas ruas já se vê aquele clima de Natal.
E eu divagando.
Estava lendo o blog Mundo Encontado, e uma postagem sobre o Natal me chamou a atenção. A postagem começa assim:

"Viva o natal!

Viva a sociedade de consumo!

Viva as lojas cheias, as propagandas, as luzes encantadoras...

Montes e montes de comida em uma mesa e nenhuma em outra." (se quiser conferir o resto, clique aqui

Um dos grandes males da industrialização e sociedade de consumo, é a deturpação do sentido das datas comemorativas. 
Quando eu era criança, o que contava nem era tanto o presente ( a gente esperava, claro), mas a aura de fantasia, de encantamento.. a noite de Natal, o dia das Crianças, a Páscoa, sei lá.. a véspera, a noite que antecedia essas datas parecia uma noite mágica. 
Lembro de tanta coisa!  Nossa... eu morava em um lugar distante do centro da cidade, tinha de subir uma estrada. Subir, subir... é, era um lugar isolado. 
A espera pelo Papai Noel era algo realmente mágico. 
Ah, lá em casa, ele não chegava em um trenó não, aliás, eu nem sabia que existia algo com esse nome. Ele vinha montado em um burrinho, pois era longe da estrada. E nada mais justo, afinal, no presépio também tinha um buririnho, né?

A gente começava a se preparar assim que o mês de dezembro tinha início. Fazíamos biscoitos com cobertura, ajeitávamos o presépio, cortando um galho de um pinheiro espinhudo que me feria as mãozinhas às vezes, mas que delícia enfeitá-lo!  E que maravilha colocar os personagens no presépio, cuidando para as pequenas estátuas não quebrarem, e ter a criatividade infantil de incluir outros animais , sem ser tolhida. 
Assistir um desenho animado na véspera de Natal, e ir dormir com a doce expectativa de encontrar algo embaixo da árvore no dia seguinte

Assim vivemos, meus primos, colegas de escola e eu. Há um bom tempo atrás, quase duas décadas.
Ganhávamos, tendo consciência de que custava a nossos pais (claro, o Papai Noel comprava os presentes com o dinheiro que nossos pais davam!) uma bola, ou boneca, ou jogo de montar. Reuníamos a família e fazíamos a festa com os tios e primos, indo brincar na rua com a bola nova, com o carrinho novo, correndo até anoitecer. 
Era realmente um dia inesquecível. 

E agora?

A fantasia parece estar sumindo. Não da parte das crianças, pois como professora vejo o brilho nos olhinhos deles nesta época do ano.. mas parece que as pessoas não cultivam a fantasia, o amor, o respeito que há nesta data. Cada vez mais vejo gente ficando só em casa no dia de Natal. Mandando, quando lembra um gif animado de orkut, ou recado no facebook, repetido à exaustão por muitos outros. Mandando um torpedo (sms - celular), nem sempre como forma de carinho. 
E a odiosa propaganda, em tudo que é lugar: outdoor, televisão, rádio, banners pipocando pela internet, o ruído consumista procurando nos convencer que felicidade é trocar de  carro, de televisão, ter internet de não sei quantos milhares de megas, parecer rico. 
Argh, que saco ser bombardeada de propagandas todo santo dia. 
Bem, como já ouvi alguém dizer, melhor ouvir isso que ser surdo, mas às vezes tendo a discordar, ahahhahahah. 

Enfim, o que pretendo escrevendo tanto? 
Apostar, acreditar, que ainda há pessoas que valorizam o sentido do Natal (nas religiões em que se comemora esta data), e que ainda há esperança, amor e amizades sinceras no mundo. Ou seja, não importa no que você acredite, mas aproveite esta data tão difundida para repensar, refletir e desacelerar um pouco deste mundo louco.. .. falar mais com as pessoas que você ama, conversar com alguém que precisa, doar um pouco de você para os outros; e que tal tentar isso no resto de seus dias, não só no Natal? 

E vocês, que leram até aqui: Como era seu Natal na sua infância? 
E como é hoje? 

Até a próxima

Mari. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Marcelo, Marmelo, Martelo e outras histórias, de Ruth Rocha

O exemplar que tenho em casa, velhinho mas em bom estado Livro : Marcelo, Marmelo, Martelo e Outras Histórias Autora : Ruth Rocha Ilustrador : Adalberto Cornavaca Edição : 33ª Ano : 1976 Editora Salamandra Ruth Rocha é uma das minhas autoras preferidas, pela sua capacidade de criar histórias infantis que levam à reflexão e de tocar em temas dito espinhosos.  Já falei sobre este assunto em uma resenha de outro livro, O Que Os Olhos Não Vêem , aqui mesmo neste blog. Para quem não está associando o nome à pessoa, ela é autora também de O Reizinho Mandão , Dois idiotas sentados cada qual no seu barril , Sapo Vira Rei Vira Sapo,   entre outros. Neste livro, Ruth Rocha conta três histórias, protagonizadas por crianças que vivem no espaço urbano. São situações do cotidiano,que estas crianças resolvem a seu modo, aprendendo e crescendo com os desafios a elas impostos.    -------------------------------- E m Marcelo, Marmelo, Martelo, história que dá título

1 Imagem, 140 Caracteres # 408

 Boa noite de sexta!  Falta de inspiração (é, acontece) e tempo meio corrido me fizeram sentar agora, nesta hora para finalmente poder escrever!   Em primeiro lugar, quero agradecer a todas as pessoas que, tanto aqui no blog quanto nas redes sociais, passaram para deixar felicitações pelo aniversário que foi esta semana. No meio de tanta loucura que tem sido estes últimos tempo, foi um dia feliz em que me permiti sentir o carinho de tantas pessoas ao meu redor, presencial ou virtualmente.  Obrigada, povo!    Agora, a imagem desta semana, nesta sexta-feira treze que muitas pessoas ainda temem em pleno 2021!    Imagem obtida no site SRDZ Descrição: a imagem mostra, do nariz para cima, a face de um gato negro, com olhos amarelos e arregalados e orelhas em pé, em posição de alerta, aparecendo por trás de um pedaço de madeira, possivelmente de um banco ou parapeito.  (Gente, eu nunca expliquei direito, a descrição que faço das imagens é uma tentativa de deixar o blog um pouco mais acessível

1 Imagem, 140 Caracteres #441

 Uma semana se passou e ainda há reflexos da Páscoa no ar...  Tudo bem aí com vocês? Espero que sim! Preparei a postagem mas a internet me passou a perna e agora que dei a volta nela (ahhaha) aqui estamos de novo!  Como já está tarde, arrumei o texto para ficar mais enxuto. Vamos para nossa imagem da semana? Imagem obtida no site Carta Capital Descrição: a imagem mostra um casal de idosos, de costas, caminhando sobre uma passarela de cimento em uma área arborizada . À esquerda vê-se parte de um banco. O homem veste uma camisa azul clara e calças jeans e está de mãos dadas com a mulher, que usa saia marrom e uma blusa de frio branca e meias brancas e longas.  Ambos tem cabelos brancos e curtos.  .................................................................................................. A praça mudou, a cidade ao redor também. Mas você continua aqui ao meu lado. Isso é o que importa no final das contas.  .............................................................................